Marco da computação gráfica no cinema: O sistema de partículas de Reeves em Jornada nas Estrelas II: A Ira de Khan

O pesquisador William Reeves criou o método de representação de objetos particulados dinâmicos que ficou conhecido como sistema de partículas, pelo qual se conseguia modelar formas irregulares e fenômenos até então considerados “amorfos” como nuvens, fumaça e espumas das ondas do oceano. A criação de Reeves foi utilizada pela primeira vez em Jornada nas Estrelas II: A Ira de Khan (Star Trek: The Wrath of Khan – 1982), na sequencia que mostrava a ressurreição de um planeta morto. Os efeitos ficaram a cargo da Industrial Light and Magic (ILM). (Referência bibliográfica: Machado, Arlindo. Máquina e imaginário: o desafio das poéticas tecnológicas. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001).

De acordo, com o professor Arlindo Machado em seu livro Máquina e imaginário: o desafio das poéticas tecnológicas:

“Reeves foi incubido de resolver digitalmente o efeito mais difícil da sequencia: a explosão provocada pelo choque do torpedo contra o planeta morto e o “tapete” de chamas que se espalha por toda a superfície deste último. O resultado foi surpreendente: Reeves conseguiu codificar cerca de meio milhão de partículas de fogo, individualmente definidas em termos de trajetória e oscilações de cor, com um “realismo” tão convincente que uma equipe de filmagem não poderia obter melhor resultado. […] O sistema inteiro funciona de acordo com um modelo estocástico previamente construído: forma, tamanho, cor, densidade e velocidade são dados como propriedades estatísticas do sistema representado. Conforme a sequencia se desenrola, o algoritmo introduz aleatoriamente novas partículas no sistema, remove outras cujo tempo de vida já expirou e desloca as partículas remanescentes ao acaso. O resultado é um objeto fugidio, sem forma ou limites definidos, que lembra vivamente a configuração visual de fenômenos “selvagens” e de difícil formalização, tais como o fogo ou as nuvens.” (Referência bibliográfica: Machado, Arlindo. Máquina e imaginário: o desafio das poéticas tecnológicas. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s